Café Baroni 2011

CAFÉ BARONI

O Café Baroni, apesar de oficialmente criado em 2002, surge como novo estágio de uma longínqua herança familiar de bons sabores — herança essa, que tem início com a chegada no Brasil daquele que é homenageado pelo nome e pela logomarca do café: o Comendador Francisco Baroni.

Desde sua chegada, mais de um século atrás, o italiano Francisco Baroni embarcou no ramo alimentício e ganhou o título de Comendador por se tornar um dos maiores exportadores de laranja do país. Em 1933, Francisco chegou a exportar 150 mil caixas de frutas para a Inglaterra. Visitantes, brasileiros e estrangeiros, se interessavam por conhecer os laranjais de Nova Iguaçu e faziam visitas ao Comendador.

Se eram as laranjas de Francisco que atraíam os visitantes, seria pelos banquetes servidos que sentiriam vontade de ficar por ali. Tanto quanto as plantações, ficaram famosos os pães, doces e pratos inventados por Eurídice — nora de Francisco — e servidos para os visitantes do Comendador. A comida de Eurídice, por sua vez, de tão especial, acabaria virando atração principal de outros eventos, como os bufês do Country Club, de Nova Iguaçu, o qual em 2014 nomeou um de seus salões em homenagem a Eurídice.

Nessa relação íntima com o paladar a família cresce e se expande. Hoje, sua grande empreitada é a criação do café, gerido pela tataraneta de Francisco, Raquel Baroni. A empresa surgiu atuando exclusivamente dentro da Livraria Saraiva, e em 2006 já havia ampliado sua parceria para todas as unidades da livraria no Rio de Janeiro. Nesses primeiros quatro anos de funcionamento, ficou evidente para Raquel que a união entre os alimentos do corpo (a comida) e da mente (a cultura) formavam uma combinação especial.

Em 2011, o Café Baroni então inaugura seu primeiro café-galeria, no Edifício Bolsa do Rio, no Centro da cidade. A partir daí, novas unidades franqueadas continuam a surgir em diversos pontos do Rio de Janeiro, sempre tendo como objetivo a meta do Café Baroni de conciliar o universo da cafeteria com uma atmosfera de arte e cultura — meta também alcançada graças à parceria com o artista plástico Raimundo Rodriguez, desde sempre o grande responsável pela identidade visual da marca e pela ambientação das cafeterias.


Dando seguimento à tradição iniciada pelas laranjas de Francisco, Raquel e o Café Baroni possuem um compromisso: se tornar referência em cafés especiais no Rio de Janeiro, ao mesmo tempo oferecendo um espaço aconchegante, com atendimento atencioso, produtos de qualidade e atmosfera de arte brasileira.